Transtornos alimentares: conheça os tipos e perigos

agosto 12, 2021

Um transtorno alimentar envolve doenças físicas e mentais graves que afetam as idéias e pensamentos das pessoas sobre alimentos e alimentação. Os transtornos alimentares são mais predominantes em mulheres do que em homens. As vítimas desses transtornos estão dentro de toda a população, independentemente de etnia, idade, sexo, sexo e religião. Os transtornos alimentares foram classificados na categoria de transtornos alimentares e alimentares. Os transtornos são descritos como tendo características como determinados comportamentos relacionados à alimentação ou distúrbios alimentares persistentes que alteram o consumo ou a absorção dos alimentos. Essa alteração prejudica as funções psicossociais e a saúde física geral. Além disso, a categoria fornece critérios específicos de diagnóstico de transtorno alimentar, incluindo transtornos de ruminação e pica, transtorno da compulsão alimentar periódica, anorexia nervosa, condição de ingestão alimentar restritiva e bulimia nervosa.

Fatos sobre transtornos alimentares

O transtorno alimentar é um tipo complicado de condição de saúde e difere com base nos tipos de doença e nos indivíduos afetados. No entanto, alguns fatos sobre transtornos alimentares são gerais, independentemente das pessoas, com base em pesquisas. Um dos fatos é que esses distúrbios não discriminam, visto que são observados em pessoas de todas as raças, idades, pesos corporais, origens étnicas e sexos. Além disso, os transtornos alimentares geralmente ocorrem na idade adulta jovem ou na adolescência, embora essas condições não se limitem a essas duas categorias de idade. Além disso, os transtornos alimentares não são causados por um ou por um fator específico. Estudos mostram que diversos fatores biológicos, genéticos, psicológicos, sociais e comportamentais aumentam os riscos de desenvolvimento de transtornos alimentares. Outro fato é que os transtornos alimentares são fatais na maioria dos casos, especialmente se não forem adequadamente gerenciados ou tratados. No entanto, existem várias maneiras de recuperação por meio de práticas baseadas em evidências que comprovadamente funcionam.

Tipos de transtornos alimentares

Existem várias condições alimentares entre as pessoas e as vítimas podem desenvolver várias delas a qualquer momento. Os tipos incluem transtorno da compulsão alimentar periódica, anorexia nervosa e bulimia nervosa.

Pessoas com anorexia nervosa evitam calorias e alimentos em si mesmas para morrer de fome. Essas pessoas podem sofrer do distúrbio independentemente do tamanho de seu corpo, pois qualquer pessoa pode ter. Uma das características da doença é o desejo compulsivo de perder peso. O outro se recusa a consumir as quantidades de alimentos saudáveis necessárias para o nível de atividade corporal e o tipo de corpo. Pessoas que sofrem de bulimia nervosa percebem que comeram ou comem grandes quantidades de alimentos em curtos períodos. Depois de comer, eles eliminam as calorias forçando-se a vomitar, fazem exercícios excessivos ou usam laxantes. A ideia principal é livrar-se da comida do corpo, com medo de engordar e ficar com sobrepeso ou obesidade.

Por outro lado, as vítimas de transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP) são caracterizadas pela falta de controle sobre seu comportamento alimentar. Eles podem perceber que já comeram uma grande quantidade de comida em um curto período de tempo, então desenvolvem mecanismos compensatórios, como vômito auto-induzido da comida que comeram, a fim de combater o efeito da compulsão alimentar. Nesse caso, eles se tornam desconfortável devido à ingestão excessiva; envergonhar-se de si mesmo, desenvolver culpa, arrependimento e ficar deprimido.

Sintomas de distúrbios alimentares

Esses transtornos se manifestam em pessoas de forma diferente com base no nível de complicações causadas por essa doença mental. Esses sintomas afetam os aspectos físicos, sociais e psicológicos da saúde de um indivíduo. As várias manifestações das condições podem não determinar diretamente se alguém luta contra um transtorno alimentar, embora alguns sintomas ajam como sinais de alerta. Os sintomas foram classificados em fatores emocionais, comportamentais e físicos.

Sintomas emocionais e comportamentais

Os sintomas emocionais e comportamentais incluem alterações extremas de humor, escolhas, crenças e padrões que indicam desejos obsessivos de perda de peso; regras alimentares, dieta e padrões alimentares. Outros incluem imagem corporal distorcida, pular refeições, esconder comida ou comer sozinho, afastamento de outras pessoas, medo intenso de ganhar peso, dificuldade de concentração ou processos de pensamento tangencial. Da mesma forma, existem outros sintomas como obsessão com o conteúdo nutricional dos alimentos, conteúdo de calorias e pensamentos gerais sobre os alimentos.

Sintomas Físicos

Um corpo faminto não pode funcionar normalmente; nesse sentido, as pessoas que lutam com distúrbios alimentares manifestarão alguns dos seguintes sinais físicos. Estes incluem constipação severa, perda severa de peso, pressão sanguínea, pulso e respiração anormais, pele seca e pálida, fadiga e fraqueza geral do corpo. Além disso, as vítimas podem ter unhas e cabelos quebradiços, amenorréia ou perda do ciclo menstrual em mulheres, fraqueza muscular, problemas gastrointestinais e sistema imunológico comprometido. Além disso, as pessoas podem desenvolver pêlos macios na maioria das partes do corpo (lanugo); desmaios, tonturas e várias outras doenças causadas pela desnutrição.

Diagnosticando Transtornos Alimentares

Profissionais de saúde, incluindo profissionais de saúde mental e médicos, podem diagnosticar transtornos alimentares. Os prestadores de cuidados primários começam revisando os sintomas, realizando um exame físico, exames de sangue. Conselheiros de saúde mental, incluindo psiquiatras e psicólogos, realizam avaliações psicológicas que os ajudam a compreender os problemas alimentares do paciente e a desenvolver um plano de cuidados para o tratamento. Os provedores de saúde utilizam o manual de transtorno mental desenvolvido pela Associação Psiquiátrica da América para o diagnóstico. No manual, há um esboço de diferentes sintomas para os vários tipos de transtorno alimentar.

Efeitos na saúde e riscos de distúrbios alimentares

Além dos vários sintomas emocionais, comportamentais e físicos de transtorno alimentar, existem graves consequências a longo prazo. A alimentação desordenada leva à desnutrição, afetando todos os órgãos do corpo, como os sistemas cardiovascular, cerebral, gastrointestinal e endócrino. A subnutrição leva à fraqueza geral de todo o corpo. Como resultado, o coração não é mais forte o suficiente para bombear e fazer o sangue circular por várias partes do corpo, podendo ocorrer pressão sangüínea anormal, pulso e aumento do risco de insuficiência cardíaca. O vômito excessivo e o laxante resultam em desequilíbrio eletrolítico no corpo. Além disso, a desnutrição causada por distúrbios alimentares contribui para o enfraquecimento do sistema imunológico, expondo o corpo a várias doenças que resultam na síndrome metabólica.

Tratamento e Gestão

O tratamento dos transtornos alimentares varia de acordo com o tipo e as necessidades específicas do paciente. Se não houver nenhum caso diagnosticado, os profissionais de saúde tratam e tratam os transtornos alimentares. Os vários métodos de tratamento de transtornos alimentares incluem psicoterapia, medicamentos, a abordagem de Maudsley e aconselhamento nutricional. O tratamento psicoterápico envolve profissionais de saúde mental determinando a melhor terapia para cada caso. A maioria dos casos de transtornos alimentares melhora após as terapias cognitivo-comportamentais. É uma forma de tratamento que ajuda os pacientes a compreender e transformar seus padrões distorcidos de pensamento que causam anormalidades emocionais e comportamentais. A abordagem Maudsley é uma forma de terapia que ajuda a família de pacientes adolescentes que sofrem de anorexia nervosa. O método envolve os pais fornecendo orientações ativas aos filhos sobre alimentação e alimentação saudável.

Sob medicação, algumas vítimas de transtornos alimentares desenvolvem condições secundárias, como depressão e ansiedade. Essas condições são tratadas com antidepressivos e outras formas de medicamentos para melhorar. Como resultado; pensamentos das vítimas sobre si mesmas e os alimentos tornam-se normais. Além disso, por meio de aconselhamento nutricional, nutricionistas registrados com algum treinamento sobre transtornos alimentares ajudam as vítimas a mudar seus hábitos alimentares, o que inclui o desenvolvimento de planos de refeições com base nutricional. Além disso, esses especialistas fornecem às vítimas dicas para o planejamento de refeições, compras e preparo. No entanto, o melhor tratamento e abordagem de gestão para transtornos alimentares envolve uma combinação de profissionais interdisciplinares; e trabalhando juntos como uma equipe, eles podem desenvolver um método abrangente de tratamento de doenças e melhorar o bem-estar mental, físico e emocional da vítima.

Em conclusão, os transtornos alimentares também incluem síndrome de ruminação e condição de pica, anorexia nervosa, bulimia nervosa, compulsão alimentar e ingestão alimentar restritiva. O manejo e o tratamento envolvem o uso de antidepressivos e outras formas de medicamentos que melhoram os distúrbios. Além disso, a participação ativa dos pais na orientação dos filhos contra os transtornos alimentares, ensinando sobre dietas saudáveis. O tratamento também pode incluir psicoterapia, medicamentos, a abordagem de Maudsley e aconselhamento nutricional.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.