Ginecologia: O Sistema Reprodutivo Feminino

agosto 12, 2021

Durante o período reprodutivo da mulher, o corpo passa por muitas mudanças. Durante esse período, problemas ginecológicos diferentes tendem a surgir de vez em quando. Muitas mulheres hoje sofrem de problemas ginecológicos durante a vida. Na maioria dos casos, as condições são leves e tratáveis. No entanto, alguns casos podem ser graves, levando a outras complicações, como afetar a fertilidade da mulher ou até mesmo a qualidade de sua vida. Manter sua saúde sob controle, bem como consultas médicas oportunas pode prevenir problemas ginecológicos, que incluem o seguinte:

Displasia Cervical

A displasia cervical é reconhecida como uma condição pré-cancerosa do colo do útero, cuja causa é o papilomavírus humano. Normalmente, a displasia ocorre sem qualquer sinal e, portanto, uma visita anual OB-GYN é recomendada. Após os 21 anos, também é ideal considerar um exame de Papanicolaou regular para ajudar a triagem de células anormais. Se for detectada uma atividade celular anormal no esfregaço de Papanicolaou, um teste conhecido como colposcopia é recomendado para examinar o colo do útero profundamente. Em qualquer caso, a displasia cervical é leve; o teste de Papanicolaou pode monitorar facilmente o comportamento das células e informar o médico quando a condição se agravar e exigir tratamento.

No entanto, existem casos moderados e avançados de displasia cervical que requerem o procedimento de excisão eletrocirúrgica de alça para auxiliar na biópsia do tecido cervical. O tratamento da displasia cervical é possível, especialmente para pacientes com idade entre nove e 26 anos. Além disso, os pacientes podem receber a vacina contra o HPV para mantê-los protegidos das quatro cepas conhecidas do vírus.

Prolapso do assoalho pélvico

Os órgãos pélvicos compreendem a vagina, bexiga, reto e útero mantidos por ligamentos e tecidos conjuntivos dentro da pelve. O enfraquecimento do tecido causado pela menopausa e constipação crônica pode causar a queda das paredes da vagina. Da mesma forma, o estresse físico da gravidez e do parto pode levar à queda das paredes da vagina. Quando alguém experimenta isso, os órgãos pélvicos atrás da vagina, incluindo a bexiga, o reto e o útero, caem. Existem abordagens não cirúrgicas, como fisioterapia do assoalho pélvico ou pessário, que podem ser consideradas no tratamento do prolapso pélvico. Usando cirurgia abdominal laparoscópica, vaginal ou minimamente invasiva, também se pode aliviar os sintomas e obter um reparo durável em qualquer caso de prolapso do colo do útero.

Dor pélvica crônica

Várias mulheres tendem a sentir dor pélvica crônica devido a problemas de saúde que incluem endometriose, síndrome do intestino irritável, síndrome da dor na bexiga, disfunção dos músculos do assoalho pélvico e leiomioma uterino. A dor pélvica crônica é uma dor persistente entre o umbigo e o osso púbico e dura por um período que ultrapassa seis meses. Normalmente, a dor pélvica crônica excede os desconfortos que vêm com cólicas menstruais ocasionais nas mulheres. A dor pélvica crônica varia de leve e dolorida a súbita e aguda. Além disso, a entrada dos tecidos do sistema reprodutivo interage com o estresse ambiental e a história cirúrgica anterior, fazendo com que o sistema de processamento da dor relate a dor pélvica crônica.

Existem diferentes fontes de dor pélvica crônica e, portanto, diferentes estratégias de tratamento são adotadas. O tratamento da dor pélvica crônica pode ser feito com terapias não cirúrgicas, incluindo exercícios para o assoalho pélvico. O exercício ajuda a fortalecer o músculo levantador, que oferece suporte para os órgãos pélvicos e a bexiga. As modificações dietéticas e comportamentais são soluções simples de autoajuda que ajudam a controlar os problemas do assoalho pélvico. Abordagens integrativas, como a acupuntura, também estão sendo usadas no tratamento de distúrbios do assoalho pélvico. A terapia medicamentosa, a fisioterapia do assoalho pélvico e a terapia hormonal também contribuíram para o tratamento e controle da dor pélvica crônica. Existem também procedimentos cirúrgicos avançados que têm ajudado no tratamento da dor pélvica crônica. Os procedimentos médicos incluem reparo de prolapso, cirurgia de incontinência urinária, reconstrução virginal, miomectomia, histerectomia, cirurgia de prolapso de preservação uterina, cistoscopia e cirurgia endoscópica.

Miomas uterinos

Os miomas uterinos são conhecidos por serem tumores benignos comuns que afetam as mulheres e também são chamados de leiomiomas ou miomas. Os tumores são conhecidos por se desenvolverem no útero das mulheres durante a idade fértil. Esses miomas podem ocorrer de forma diferente e em várias partes do útero. A principal causa dos miomas ainda não está clara; no entanto, hormônios, história familiar e gravidez são alguns dos fatores que podem influenciar o crescimento dos miomas. Pacientes com sintomas leves de miomas uterinos podem ser tratados com abordagens não cirúrgicas. A embolização de miomas uterinos é uma abordagem não cirúrgica que envolve o bloqueio do suprimento de sangue que alimenta o crescimento de miomas por meio da injeção de agentes embolizantes. O tratamento hormonal, como o uso de pílulas anticoncepcionais, pode ajudar a diminuir o tamanho dos miomas e minimizar os sintomas. Os miomas uterinos também podem ser removidos por meio de um método cirúrgico denominado miomectomia. Neste procedimento, os miomas são removidos sem afetar o útero. A histerectomia ainda é um procedimento cirúrgico utilizado na remoção de miomas. O processo envolve a remoção completa do útero junto com os miomas.

Incontinencia urinaria

A incontinência urinária é a falta de controle na liberação da urina. O problema pode ser causado por condições de saúde temporárias, como infecção do trato urinário. Em outros casos, a incontinência urinária pode resultar de alterações musculares e nervosas ao redor da bexiga. A incontinência urinária é dividida em dois tipos, que são a incontinência de esforço e a incontinência de urgência. A incontinência de esforço faz com que a pessoa perca urina durante atividades físicas, como rir, tossir e espirrar.

Por outro lado, a incontinência urinária envolve a liberação descontrolada de urina com uma necessidade sólida e repentina de urinar; terapia comportamental, exercícios de Kegel e fisioterapia podem tratar a incontinência urinária fortalecendo o assoalho pélvico, aumentando assim o controle. O estrogênio vaginal também pode ajudar no tratamento da incontinência urinária. Além disso, dependendo do tipo de incontinência que se tem, alguns medicamentos podem ajudar a diminuir os espasmos da bexiga. Existem também procedimentos cirúrgicos disponíveis que podem ser considerados no tratamento da incontinência urinária, por exemplo, tipoia no meio da uretra.

Distúrbios Menstruais

Ter sangramento menstrual prolongado, sangramento durante a relação sexual, sangramento entre os períodos e cólicas dolorosas podem significar distúrbio menstrual em mulheres, especialmente aquelas em idade menstrual. Dependendo da gravidade do problema do ciclo menstrual, existem intervenções médicas que podem ser empregadas; a maioria dos distúrbios menstruais incluem endometriose, síndrome do ovário policístico, pólipos endometriais, sangramento uterino disfuncional, que é intenso, e hiperplasia endometrial ou câncer. O diagnóstico do distúrbio menstrual determinará qual intervenção médica será empregada. Os métodos de tratamento do distúrbio menstrual incluem medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), um implante de progesterona, pílulas prescritas, adesivo ou anel vaginal, progesterona e dispositivos intrauterinos. Abordagens cirúrgicas também estão disponíveis para pacientes com distúrbios menstruais. Eles incluem ablação endometrial, histerectomia, embolização de mioma uterino e histeroscopia; procedimentos minimamente invasivos são utilizados para esses problemas de saúde, o curto período de recuperação é uma vantagem adicional.

Síndrome dos ovários policísticos

Este é um distúrbio hormonal que comumente afeta mulheres durante o período reprodutivo. Mulheres com essa condição têm períodos menstruais prolongados ou excesso de hormônios masculinos conhecidos como andrógenos. Os ovários podem desenvolver várias e pequenas coleções de fluidos, portanto, não conseguem liberar os óvulos. A principal causa da síndrome dos ovários policísticos não é conhecida. No entanto, alguns fatores podem causá-los, como fatores de hereditariedade, excesso de insulina, inflamação de baixo grau e excesso de andrógenos. O tratamento da síndrome dos ovários policísticos concentra-se em controlar as preocupações da pessoa, como hirsutismo, obesidade, acne e infertilidade. O tratamento específico da SOP envolve uma mudança no estilo de vida, como perda de peso. Também existe uma intervenção médica que pode ajudar a regular o ciclo menstrual causado pela SOP, como a combinação de pílulas anticoncepcionais e terapia com progesterona.

Diferentes mulheres em todo o mundo estão lutando com qualquer um dos problemas ginecológicos. Felizmente, existem opções de tratamento para qualquer uma das questões genealógicas. Para qualquer mulher com problemas ginecológicos, assumir o controle da situação começa pela compreensão de sua condição. Isso só é possível quando se trabalha com um especialista. Marcá-la pelo menos uma vez por ano é vital, pois ajuda a detectar qualquer problema ginecológico que pode ser leve e despercebido. Buscar a ajuda de especialistas também ajuda a buscar a intervenção médica adequada de acordo com o problema ginecológico que possa estar tendo. Existe uma variedade de modos de tratamento para os diferentes problemas ginecológicos e, para encontrar o que melhor se adapta ao seu problema de saúde, é necessário consultar um especialista. Um especialista perguntará sobre o histórico médico da pessoa e conduzirá um exame apropriado para ajudar a desenvolver a medicação adequada.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.