Cancro do Colo do Útero: Coisas que as mulheres precisam de saber

Agosto 12, 2021

Os blocos básicos de construção que os tecidos do corpo da maquilhagem são células. As células crescem constantemente, desgastam-se e são substituídas depois de se desgastarem ou se lesionam através da multiplicação celular. O cancro é uma doença que ataca as células do corpo. Acontece durante a multiplicação celular quando as células anormais crescem, formando um caroço ou uma massa chamada tumor. Todas as células não são cancerígenas; um tumor maligno é cancerígeno e pode espalhar-se, ao contrário de tumores benignos que não são cancerígenos e não metástases. O cancro do colo do útero começa quando as células anormais ao longo do revestimento do colo do útero começam a crescer descontroladamente. Geralmente começa na zona de transformação e espalha-se para os outros tecidos em torno dos nódulos linfáticos do colo do útero e da vagina. Na maioria das vezes, o cancro pode metastizar-se para outras partes, como o fígado. É entre os cancros que podem ser tratados com sucesso se descobertos cedo.

Tipos de Cancro Cervical

Os cancros do colo do útero são classificados principalmente depois das células em que começam a crescer. O colo do útero tem as superfícies interiores e exteriores. O exterior abre-se para a vagina, e o interior alinha o canal cervical. A superfície exterior é conhecida como ectocervix e é coberta pelas células escamosas. O cancro do colo do útero que começa nestas células é chamado carcinoma escamoso da pilha; é responsável por aproximadamente 70% do total de casos de cancro do colo do útero. O endocervix que forma a superfície interna do colo do útero é coberto pelas células glandulares, e o cancro que se desenvolve nestas células é conhecido como adenocarcinoma. É menos comum e é responsável por cerca de 25% dos casos de cancro do colo do útero. É geralmente um desafio diagnosticar, uma vez que ocorre mais alto no colo do útero.

Causas e Fatores de Risco

O papilomavírus humano (HPV) é responsável por quase todos os casos de cancro do colo do útero. O grupo de vírus pode atacar a superfície de diferentes partes do corpo, como o colo do útero e a vagina. Mais de uma centena de tipos diferentes de papilomavírus humanos, com mais de catorze a afetar os órgãos genitais; cerca de quinze dos hpvs genitais causam cancro do colo do útero. Embora as infeções por HPV sejam comuns, nem todas as pessoas com infeções por HPV desenvolvem cancro do colo do útero. Vários fatores aumentam o risco de desenvolver cancro do colo do útero. Entre eles incluem-se o tabagismo passivo e o tabagismo. O uso do tabaco danifica as células do colo do útero e aumenta as chances de as mulheres com HPV desenvolverem cancro. Estudos também demonstraram que as mulheres que utilizam contracetivos orais a longo prazo também estão em maior risco, embora a razão não seja aparente. As mulheres com sistemas imunitários fracos também estão em maior risco de desenvolver este cancro, por exemplo, mulheres seropositivas e outras mulheres que tomam medicamentos que podem enfraquecer o seu sistema imunitário. Embora a doença possa correr na família onde uma mulher cuja irmã ou mãe tinha cancro tem altas probabilidades de o desenvolver, não há uma causa genética conhecida do cancro do colo do útero.

Sintomas e Encenação

As pessoas com cancro do colo do útero podem não produzir quaisquer sinais ou sintomas especificamente durante as fases iniciais. No entanto, quando o cancro do colo do útero começa a invadir outras áreas, como a vagina, os sintomas podem desenvolver-se. Algumas mulheres vão experimentar períodos menstruais mais longos e mais pesados, enquanto outras podem ter uma descarga vaginal anormal. Outros vão detetar ou sangrar entre os seus períodos, e outros podem ter hemorragia vaginal após o sexo. Algumas mulheres acharão as relações sexuais dolorosas, enquanto outras sangrarão mesmo quando atingirem a fase da menopausa. Embora estes sintomas possam resultar de certos medicamentos ou condições, é essencial excluir o cancro do colo do útero. É crucial que as pessoas com um colo do útero vão para o rastreio regular se são transgêneros, gays, lésbicas, heterossexuais ou bissexuais.

Encenar cancros é vital para determinar o melhor plano de tratamento. Há quatro estágios de cancro do colo do útero. Uma fase refere-se à medida em que o cancro se espalhou no corpo no momento em que é diagnosticado. O cancro do colo do útero na fase I é localizado e encontrado apenas no tecido do colo do útero. Na fase II, o cancro do colo do útero é avançado localmente e espalhou-se para outros tecidos ao lado do colo do útero, como os dois terços superiores da vagina. O cancro do colo do útero na fase III atingiu outras partes vaginais e o forro pélvico; a possibilidade de metastizar para os nódulos linfáticos sai e pode mesmo impedir o rim de funcionar. Finalmente, o cancro do colo do útero na fase IV metastizou-se no reto e além de outras áreas, como os pulmões, os ossos e o fígado. A maioria dos cancros do colo do útero diagnosticados em fases iniciais têm um bom prognóstico e taxas de sobrevivência mais elevadas.

Diagnóstico

A deteção do cancro do colo do útero geralmente começa com um resultado anormal do teste do pap durante a fase de rastreio do cancro. Isto exige mais testes para confirmar a presença de cancro do colo do útero. Às vezes, o teste pode ser proposto se um paciente experimentar sintomas suspeitos, como hemorragia vaginal anormal. Um médico, geralmente ginecologista, realiza um exame físico e histórico médico, incluindo um exame pélvico e sentindo os nódulos linfáticos. O médico realiza o teste de colposcopia para olhar de perto o colo do útero para ver as células alteradas ou anormais localizar onde estão exatamente e como se parecem. Se um médico vê áreas suspeitas, uma biópsia é conduzida e o tecido examinado em laboratório por um patologista. Se os resultados da biópsia confirmarem a presença de cancro do colo do útero, outras imagens como a ressonância magnética, a tomografia ou a tomografia pet são feitas para as áreas a que as células cancerígenas se espalharam.

Gestão e Tratamento

O tratamento do cancro do colo do útero escolhido depende das preferências e recomendações dos pacientes da equipa médica. O tratamento escolhido depende dos resultados dos testes, da localização do cancro, das áreas a que se espalhou, do estado geral de saúde dos doentes, da idade e se gostariam de ter filhos no futuro. O tratamento é conseguido utilizando a terapia combinada de cirurgia, radiação e quimioterapia. No entanto, o procedimento cirúrgico continua a ser a única opção para a maioria dos pacientes, por exemplo, se o cancro estiver apenas no colo do útero. Os procedimentos cirúrgicos dependem da extensão da metástase; os cancros cervicais precoces são tratados usando a biópsia do cone para remover o tecido em torno do tumor e outros tecidos saudáveis circundantes. A trachelectomia pode ser feita para remover a totalidade ou parte do colo do útero ao lado da parte superior da vagina. Os ovários e as trompas de falópio são geralmente deixados no lugar, especialmente se uma mulher gostaria de dar à luz no futuro. A histerectomia total é geralmente feita para remover o colo do útero e o útero. As trompas de falópio também podem ser removidas.

A radioterapia onde os médicos usam raios-X para matar células cancerosas pode ser usada para danificar ou matar células cancerosas do colo do útero. Um paciente pode tê-lo como o tratamento primário ou tê-lo após a cirurgia para matar as células cancerígenas restantes. A radiação geralmente visa as partes afetadas e é feita cuidadosamente para minimizar os danos às células saudáveis. Este método de tratamento é seguro, embora tenha vários efeitos colaterais. Pode causar um aumento na descarga vaginal causar perda de cabelo em torno da área pélvica, e problemas intestinais e da bexiga. A radiação também pode resultar na menopausa precoce, uma vez que pode impedir que os ovários produzam hormonas ou causem o estreitamento da vagina. Em casos raros, a radioterapia pode enfraquecer os ossos e causar uma fratura pélvica. A radiação pode ser conduzida interna ou externamente, e o processo não é doloroso.

Além disso, a quimioterapia pode ser usada onde os fármacos são usados para retardar o crescimento ou matar as células cancerígenas. A quimioterapia é geralmente usada quando o cancro está em fase avançada e pode ser combinada com radioterapia. O número de sessões de quimioterapia geralmente depende do tipo de cancro que um paciente tem e se está a passar por qualquer outro tratamento. As drogas são geralmente administradas intravenosamente. O tratamento com quimioterapia tem vários efeitos secundários dependendo da aptidão e saúde geral de uma pessoa, com que frequência têm o tratamento ou se estão a ter outros tratamentos, como a radioterapia. Alguns pacientes podem sentir-se cansados, sentir náuseas e vómitos, perder alguns pelos do corpo, incluindo o cabelo na cabeça. Também foi reportada a menopausa temporária ou permanente. Além disso, a quimioterapia pode enfraquecer a imunidade do corpo, e os pacientes tornam-se propensos a infeções.

O cancro do colo do útero afeta os pacientes emocional e fisicamente. Os cuidados paliativos são essenciais, independentemente da fase do cancro, para ajudar a melhorar a qualidade de vida dos doentes. Pode ser feito por uma equipa de profissionais de saúde em colaboração com familiares e outros cuidadores. Métodos não médicos e médicos podem ser usados para controlar a dor em pacientes, aliviar o stress e garantir que os pacientes são pacíficos durante o tratamento. A cirurgia paliativa também pode ser feita para corrigir problemas de fístula e obstrução intestinal.

No geral, o cancro do colo do útero está entre os cancros mais evitáveis. Qualquer pessoa com um colo do útero deve fazer um rastreio regular para apanhar os pré-cancros cedo o suficiente e tratá-los antes que se tornem cancros. Além disso, as raparigas com menos de 15 anos e que não se envolveram em comportamentos sexuais devem obter a vacina contra o HPV para evitar que sejam infetadas com o vírus. As mulheres podem minimizar o risco de contraírem este cancro, deixando de fumar e limitando inúmeros parceiros sexuais.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.