Diabetes: Os efeitos do diabetes em sua saúde geral

agosto 10, 2021

Com base na Organização Mundial da Saúde (OMS), o diabetes é uma doença crônica que ocorre em duas circunstâncias. Primeiro, especialistas explicam que o diabetes ocorre quando o pâncreas humano não gera insulina suficiente. Em segundo lugar, também pode acontecer quando o corpo humano não pode usar eficientemente sua insulina. Biologicamente, insulina é um hormônio no corpo humano responsável por regular o açúcar no sangue. Portanto, quando o corpo não o usa ou o usa ineficazmente, os indivíduos desenvolvem hiperglicemia, ou alto açúcar no sangue, que é um efeito comum do diabetes não tratado e, eventualmente, resulta em complicações graves para os sistemas corporais; os vasos sanguíneos, e os nervos. Além disso, os profissionais de saúde alertaram que ter glicose excessiva no corpo pode levar à comorbidade; portanto, como o diabetes não tem cura, recomenda-se seguir os passos traçados pelos profissionais de saúde para ficarem fora dos perigos dessa doença.

Além disso, com base no relatório da OMS, 8,5% das pessoas com 18 anos ou mais apresentaram casos de diabetes em 2014. Superando, em 2019, a doença resultou na morte de quase 1,5 milhão. Entre 2002 e 2016, os Estados Unidos registraram um aumento de 5% nas mortes prematuras por diabetes. No entanto, em muitos outros países globais de alta renda, como os Estados Unidos, as taxas de mortalidade precoce por diabetes registraram uma tremenda redução entre 2002 e 2010. A situação registrou ligeira mudança de 2010 para 2016, quando foram presenciados aumento de óbitos relacionados ao diabetes. Mas nas nações em desenvolvimento, as mortes prematuras por diabetes registraram um aumento em todos os períodos.

Diabetes é uma doença altamente predominante nos Estados Unidos hoje. Com base nas estatísticas do Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais, 30,3 milhões de pessoas nos EUA foram registradas com diabetes a partir de 2015. O número representa 9,4% da população total. A instituição também informou que mais de 1 em cada quatro pessoas que relataram ter essa doença nunca souberam que a tinham. Além disso, entre pessoas com 65 anos ou mais, cada 1 em cada 4 são afetados ou provavelmente afetados pelo diabetes. Por fim, a instituição registra que quase 95% dos casos de diabetes entre adultos são diabetes tipo 2.

Tipos de Diabetes

Os tipos predominantes de diabetes que as pessoas sofrem no dia a dia são o tipo 1, tipo 2 e diabetes gestacional. Além disso, existem vários subtipos de diabetes, como o diabetes monogênico e diabetes relacionado à fibrose cística.

Diabetes tipo 1

Também conhecido como diabetes juvenil, o diabetes tipo 1 é uma doença crônica onde o pâncreas gera insulina muito mínima. A insulina assume o papel de permitir que o açúcar se mova para as células do corpo, gerando energia; assim, com pouca ou nenhuma insulina, as células do corpo encontram dificuldade em produzir a energia necessária. Quando o corpo é incapaz de fazer insulina, especialmente quando o sistema imunológico ataca e termina as células do pâncreas. Diabetes tipo 1 é comumente um diagnóstico em jovens e adultos; no entanto, também pode ser experimentado em qualquer faixa etária. Os médicos recomendam que indivíduos diagnosticados com diabetes tipo 1 devem tomar insulina diariamente para levar uma vida saudável e normal.

Apesar das extensas pesquisas feitas sobre esse tipo de diabetes, ele ainda não tem cura; portanto, o tratamento só reside em bons níveis de açúcar no sangue com estilo de vida, dieta e insulina para evitar complicações adicionais. Infelizmente, como não há insulina no corpo para deixar a glicose para as células do corpo, os níveis de açúcar se acumulam na corrente sanguínea levando a hiperglicemia ou alto açúcar no sangue ou glicosúria (excesso de açúcar na urina). Os principais fatores de risco desse tipo de diabetes incluem histórico familiar, meio ambiente, idade e genética.

Diabetes tipo 2

Diabetes tipo 2 exibe quando o corpo humano não consegue fazer ou usar a insulina produzida efetivamente. Pode se desenvolver em qualquer idade, tanto em idade jovem quanto em idade adulta; no entanto, estudos recentes confirmam que ocorre principalmente na meia-idade e em idosos. Esse tipo de diabetes pode ser uma doença aguda ou crônica, pois dificulta a forma como o corpo humano gerencia e usa a glicose como energia. Diabetes tipo 2 é uma condição que leva ao excesso de açúcar se movendo para a corrente sanguínea.

Pessoas com diabetes tipo 2 apresentam dois problemas interrelacionados; seu pâncreas não produz insulina suficiente. Como resultado, o hormônio que regula o movimento do açúcar nas células do corpo responde mal à insulina (resistente à insulina). O diabetes tipo 2 é mais conhecido como início adulto, também é predominante em crianças com obesidade. Como muitos outros tipos de diabetes, essa condição pode ser gerenciada através de mudanças terapêuticas no estilo de vida (TLC), como dieta balanceada e exercícios regulares. No entanto, se medidas como uma dieta equilibrada e exercícios regulares não forem suficientes, os pacientes são encorajados a usar medicamentos orais ou terapia de insulina.

Diabetes Gestacional

A diabetes gestacional foi testemunhada pela primeira vez em algumas mulheres durante o período de gravidez. Em muitos casos, essa doença tende a desaparecer após o parto. No entanto, especialistas revelaram que mulheres que apresentam sinais de diabetes gestacional ou já tiveram essa doença têm maiores chances de experimentar diabetes tipo 2 no futuro. Embora o diabetes gestacional seja uma doença comum durante o parto, alguns diabetes registrados durante a gravidez foram principalmente diabetes tipo 2.

Tratamento do Diabetes

Os profissionais de saúde utilizam diversos medicamentos e tratamentos para prevenir os indivíduos das complicações do diabetes, como doença renal e perda de visão. Os métodos típicos de tratamento envolvem exercícios regulares, mudanças de estilo de vida e uma dieta equilibrada. Outros usam medicamentos que são dados pela boca, enquanto outros são oferecidos através de injeção.

Diabetes tipo 1

O principal critério de tratamento para este tipo de diabetes é a insulina. Insulina ajuda a substituir o hormônio que o corpo não pode produzir. Diferentes médicos usam insulina diferente dependendo da rapidez com que podem começar a funcionar, e o período que seus efeitos podem levar. Os diferentes tipos de insulina utilizados envolvem:

  • Insulina de ação rápida; começa a funcionar nos primeiros 15 minutos de administração e entra em vigor por quase 4 horas.
  • Insulina de ação curta é o segundo tipo que começa a funcionar nos primeiros 30 minutos de uso e vai por até 8 horas.
  • A insulina de ação intermediária começa a funcionar nas primeiras 1 a 2 horas de administração e permanece eficaz por 18 horas.
  • insulina de longa duração torna-se ativo algumas horas após a administração e permanece eficaz por um dia

Diabetes tipo 2

Alimentação equilibrada como recomendado pelos profissionais de saúde e exercício regular como o tratamento primário do diabetes tipo 2. Além disso, os indivíduos com essa doença precisam de mudanças terapêuticas no estilo de vida para gerenciar e controlar adequadamente essa doença. No entanto, se as mudanças terapêuticas no estilo de vida não são suficientes para diminuir o nível de açúcar no sangue, as seguintes drogas são recomendadas sob a supervisão de um médico.

Diabetes Gestacional

Durante a gravidez, as mulheres são aconselhadas a dar um monitor atento de seus níveis de açúcar no sangue. Se perceberem sua alta, são aconselhados a embarcar em mudanças alimentares e se exercitar como os primeiros passos para regula-lo. No entanto, estudos indicam que aproximadamente 10 a 20% das mulheres com diabetes gestacional precisarão de insulina para regular seus níveis de açúcar no sangue; no entanto, a insulina é considerada segura para mulheres grávidas e seus bebês não nascidos..

Medicamentos para o tratamento do diabetes

Metformina

São prescritos principalmente para indivíduos com diabetes tipo 2, pois funciona inibindo a produção de glicose pelo fígado; diminuindo assim o açúcar no sangue e melhorando a perda de peso.

Sodium-glucose Cotransporter-2 (SGLT2)

Inibidores e Glucagon-Like-Peptídeo-1 (GLP-1) Agonistas receptores

Os inibidores SGLT2 são uma droga recém-introduzida que reduz os níveis de glicose na corrente sanguínea humana. Seu mecanismo de ação é reduzir a quantidade de glicose reabsorvida pelos rins, reduzindo assim o açúcar na corrente sanguínea; e são melhor prescritos para indivíduos que não estão dispostos a usar insulina. O mecanismo de ação agonista receptor GLP-1 é estimulando a liberação de insulina dependente de glicose do pâncreas; além disso, o esvaziamento gástrico é desacelerado, e a produção desnecessária após a refeição de glucagon é inibida. Além disso, a saciedade é aumentada, o apetite é reduzido, o açúcar no sangue controlado e a perda de peso melhorada.

Insulina

Existem vários tipos de insulina utilizada no tratamento do diabetes mellitus. A insulina é classificada com base em seu início, horário de pico, ação e duração. Existem vários tipos de insulina; Insulina de ação rápida, como a insulina lispro (Humalog) e insulina aspart (Novolog) pode controlar a glicemia até 4 horas, insulina regular (de ação curta) como o Human Regular (Humulin R e Novolin R) pode controlar a glicemia até 6 horas; insulina de ação intermediária, como a Protamina Neutra Hagedorn (NPH): (Humulin N e Novolin N) pode controlar a glicemia até 18 horas; insulina de longa duração como glargina (Lantus), degludec (Tresiba) e detemir (Levemir) pode controlar a glicemia até 24 horas. Além disso, há uma insulina do tipo glargina de ação ultra longa (Toujeo) que é usada para diabetes tipo 1 e tipo 2; é mais concentrada do que a glargina normal e pode controlar a glicemia até 36 horas.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.